Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Do Sofá ao Ultra

Olá o meu nome é Hugo Sousa, e o meu objectivo é um dia fazer um Ultra Trail de 100km, aqui farei crónicas das provas em que participo, treinos e alimentação. Aqui podes acompanhar esta aventura.

Olá o meu nome é Hugo Sousa, e o meu objectivo é um dia fazer um Ultra Trail de 100km, aqui farei crónicas das provas em que participo, treinos e alimentação. Aqui podes acompanhar esta aventura.

09.Mai.18

NEM SEMPRE TUDO CORRE COMO O ESPERADO - RUNCAMBRA 2018

 

Uma simples prova de estrada pensava eu... um percurso de 10 KM que já estava farto de correr nele como forma de treino para esta prova, sinceramente esperava mais, um bocado mais de mim, mas mais uma vez o "Karma" tratou de me ensinar a não ter excesso de confiança!

32169136_1589188267797806_5918050929105436672_n.jp

 No final da Prova com o André

 

Como todos vocês que me acompanham sabem este fim-de-semana foi o RunCambra, uma mini-maratona de 10KM em estrada aqui em Vale de Cambra, como estava a "jogar em casa" e já conhecia o percurso fui treinando algumas vezes fazendo-o 4 vezes pelo menos uma vez por semana no último mês.

A última vez que fiz o percurso, fi-lo no dia 1 de Maio ao meio-dia para apanhar o "pico do calor" e sem água pois previa-se bastante calor no dia da prova e quis testar o pior cenário possível, ainda assim tinha baixado o tempo em sensivelmente 2'30" do meu anterior record pessoal, o que me fazia prever uma prova com um tempo a baixo dos 50', pensava eu... . Na quarta-feira fiz um novo plano no ginásio que tenho especificamente para reforço muscular para o trail, o que no dia seguinte se traduziu em dores musculares fora do normal. Na quinta-feira ainda fui correr cerca de 6KM para tentar descomprimir do dia anterior no ginásio mas foi em vão.

Chegou-se a sexta-feira e as dores nas pernas continuavam, ao final da tarde fui levantar o kit e o dorsal aos paços do concelho.

No sábado as dores já tinham atenuado um bom bocado, o que me faria acreditar que no dia seguinte iria estar "fresco" para a prova, durante a tarde fui até ao parque da cidade, lugar onde era a meta, houve uma palestra e a mini-run, andei por lá a ver o ambiente e a aproveitar o calor.

Chegou-se o dia. Domingo de manhã eram 9H15 quando saí de casa e fui ter com o meu companheiro de treino deste último mês e amigo o André que era a estreia dele em provas, fizemos um pequeno aquecimento e fomos para o pórtico, para nos posicionar-mos o mais á frente possível. Estava um calor incrível deveriam estar cerca de 24ºc as 10 horas da manhã! Seria isto que nos iria atormentar toda a prova! 

Contagem decrescente e começou a corrida, a primeira parte percorremos a via sul do parque, mioritariamente a descer, onde seguia-mos a ritmos de 4'15", ritmos a que eu e o André não estamos habituados, juntamente com o calor que se fazia sentir estavam todos os ingredientes para as coisas começarem a correr mal de início. Logo de seguida subimos pela nacional em direção ao alto da relva e viramos novamente para passar por fora do parque num percurso a descer e práticamente plano onde eu e o andré que seguíamos juntos aproveitamos para ganhar o tempo perdido na subida, aqui começava a segunda parte da prova 3 KM praticamente sempre a subir com alguma inclinação. Aqui começavam a surgir os primeiros problemas com o calor e a fadiga muscular que tinha sentido desde quarta-feira, ao passar a segunda vez no parque a ideia de fazer um tempo a baixo dos 50' saiu da ideia, só queria chegar ao fim no menor tempo possível. Nesta parte da prova era a  primeira vez que se passava no centro da cidade, onde apanhavamos a primeira e única sombra durante 10KM, o troço que ligava a rotunda de St. António a Macinhata, era práticamente sempre a subir salvo 2 pequenas descidas e debaixo do sol a "atestar" forte e feio! Aqui comecei a ver o primeiro pessoal a caminhar, em tão pouca distância e já se começava a ver a primeira malta a desidratar, (desde o parque que vinha com cerca de 30 metros de distância do André, um atacador da sapatilha desapertado obrigou-me a parar) nesta subida foi a primeira vez que eu e o André perdemos o contato completamente, eu segui na frente dele com alguma diferença o resto da prova. Cheguei ao primeiro ponto de água que coincidia com o final da subida e o meio da prova, agarrei em duas garrafas virei uma na cabeça e bebi outra, parecia que tinha ganho vida, agora seguia-se cerca de 1,5KM quase sempre a descer, onde consegui recuperar muito tempo que tinha perdido. com o final do troço de Macinhata a Entre-Pontes, levaria a subida mais desgastante de todas, que nos levaria novamente até ao centro da Cidade, aqui foi quando comecei a ter o primeiro apoio da malta conhecida, tivemos um ponto de água onde tinhamos um speaker a puxar pela malta para a última subida, fiz uma subida sólida, a bom ritmo que me faria acreditar que seria possível acabar antes dos 50', cheguei novamente ao centro da cidade, virei para o parque a descer novamente onde acelarei o passo para tentar recuperar o máximo de tempo possível, á entrada para a via norte do parque seguia com 48' no relógio, esta última parte praticamente plana mas sempre de baixo do sol parecia que nunca mais acabava, via o pórtico da meta ao fundo parecia que nunca mais chegava, até que cruzei a meta com 51'36" depois de ter arrancado.

Um dos objetivos falhados e outro alcançado! O principal era conseguir contrariar a minha cabeça que de segundo a segundo queria desistir, até 100 metros da meta não tive a certeza se acabava a prova, tal era o meu estado!

A apredizagem que tiro desta prova é que nenhuma prova é igual a um treino por mais que se tente recriar as situações. 

Ainda tenho um longo caminho a percorrer!

Quero dar os parabéns á Câmara Municipal de Vale de Cambra e as restantes entidades responsáveis pela fantástica organização desta prova!

 

Para o ano lá estarei!

 

31949250_1916628505037979_7058703296990543872_o.jp

chegada a meta.